Arquivo da tag cães

Adoção de Cães Adultos: O “Novo Velho” Dentro de Casa

Por Lea Maria Reis

Conheci o Goobe pela Internet, num email em que a jornalista de Niteroi, Soraya Ciuffo, colocou uma foto dele.
Ela é uma protetora de bichos. Tem um imenso amor por esses seres que são abandonados nas ruas.
Era de dar dó o estado do Goober (nome dado pela Soraya ao vira-latas mais simpático que conheço): costelas á vista, magérrimo, triste, maltratado, humilhado, acabrunhado.

Soraya encontrou-o caído na calçada, não tinha forças para ficar de pé, jogado defronte ao Mercado São Pedro, em Niteroi. Ao seu lado, um churrasquinho velho e um pote de água bolorenta que alguma alma piedosa ali colocou, mas que o cachorro não tinha nem meios de acessar.

Soraya levou Goober para uma hospedagem de pronto socorro onde foi outro pesadelo para o bichinho que é idoso, tem 14 anos, não enxerga bem do olho esquerdo, e tem um tumor no ânus. Quarenta cães jovens, fortes e saudáveis, pisoteavam e empurravam Goober na hora da alimentação para ele não chegar ao comedouro.

Soraya tirou-o de lá e internou-o numa clínica, a São Francisco, onde Goober foi tratado, alimentado, examinado e onde esteve durante oito meses do ano passado, no canil, acompanhado pelo Aluísio, a quem se afeiçoou – assim como à Soraya, é claro. Ela de vez em quando, sempre que podia, ia até lá para estar com Goober, um cachorro triste, quieto, desconfiado, que mal se levantava do seu colchãosinho velho para tomar um pouco de sol na área exígua, fazer xixi e cocô.

Foi assim que o conheci em (pouca) carne e osso (ainda à vista) quando fui visitá-lo, num domingo de chuva, e ao Bentinho, o cachorro atropelado que não tem parte do focinho.
O que me impressionou no olhar lindo do Goober foi a conformação de destino tão cruel. Não era um olhar pedinte. Era o olhar já indiferente de alguém que não espera mais nada da vida.

Fiquei com este olhar na cabeça quando voltei para o Rio. O olhar de Goober não me deixava.
Duas semanas depois, no fim de dezembro do ano passado,decidi trazê-lo para minha casa para dar algum conforto a este ser tão triste, tripudiado, no fim de sua vidinha infeliz, pelo menos por algum tempo.

O acordo foi trazê-lo para passar o réveillon protegido dos terríveis ruídos das bombas da meia-noite, seguro e aconchegado.
No fundo do meu coração eu sabia que não o deixaria mais.

Goober veio com seus exames, com um mini enxoval dado pela extrema delicadeza da Soraya – coleira nova, verde, um pisca pisca para quando sair à noite, garrafa de àgua para tomar quando está na rua. Aluisio cortou unhas, pêlo, limpou suas orelhas, deu um bom banho nele.
No carro, Goober mostrava o mesmo desânimo e conformação. Apenas uma ponta de curiosidade. Já veio instalado num pequeno colchão que uma amiga ofereceu.

Adoção de um cão adulto

Adoção de um cão adulto

No mesmo dia da sua chegada, ração especial foi providenciada (Goober tem poucos dentes), meu filho comprou um colchão grande e confortável azul-marinho, um travesseiro que de um lado é o jacaré e do outro, o sapo, um comedouro novo, pote de àgua também.

Lili e Samuca, minhas duas meninas papagaias, que já tinham vivido uma história com um labrador chamado Harry, olharam para o Goober com curiosidade, nos primeiros dias, e depois nem ligam mais para ele.
Curioso: hoje ele faz questão de ficar ao lado dos dois viveiros das mocinhas, deitado no seu colchão, como quem diz ” eu também sou irmão delas e também preciso ser cuidado “.

Em resumo: Goober está conosco há cinco semanas.

Adoção de um cão adulto

Adoção de um cão adulto

É outro cachorro. Balança o rabo quando está contente, come feito um leãozinho, já esteve duas vezes na clínica veterinária das meninas e será operado do tumor depois do carnaval. Toma banho seco ( é cheirosíssimo) com um leave-in que a Dra. Eliane Jessula – quem está cuidando dele – indicou e ganha bifinhos do Biodog como petisos. Adora.
Enrosca-se perto de mim, ao lado do computador, durante todo o tempo em que estou trabalhando – como agora.
Outra noite, pela primeira vez deu uns pulos maravilhosos, embora discretos, quando me viu chegar da rua e abrir a porta de entrada. Esperava pacientemente perto dela. Fiquei comovida.

Goober dorme muito, em casa. É idoso, como eu disse. À noite, tem um pouco de insônia até que se aconchega, com seu travesseiro, num canto de um sofá defronte da TV para dormir profundamente – ao lado dos viveiros de Lili e Samuca, é claro.

Adoção de um cão adulto

Adoção de um cão adulto

Acho que está feliz. Gosta de parar no calçadão, fica olhando o mar, late com um vozeirão grosso e alto, quando implica com algum colega – ama a rua.
É farejador. Na sua mistura genealógica tem cão de caça, labrador e.. quem sabe?
Seu carisma é incrível. Como um vira latas cor de caramelo chama tanto a atenção de quem passa? Todos têm um agrado para fazer nele. Todos os porteiros me perguntam por ele quando não o vêem passar.

Penso muito em como terá sido sua vida. Quem seriam seus donos? Terá sido um cachorro de rua? – perguntas de quem adota um bicho. Não me parece. É muito educado, incapaz de fazer xixi e cocô dentro de casa

Enfim, Goober, o caça fantasmas, está rejuvenescido a olhos vistos. Parece aquele personagem do Scott Fitzgerald que nasce velhíssimo e morre bebê.
Acho que ele vai acabar enterrando todos nós, da sua nova família.
E sua nova família está muito feliz com o amor que ele nos dá.

Adoção de um cão adulto

Adoção de um cão adulto


Lea Maria Reis
é Jornalista. A escritora fez na sua última publicação literária o Livro “Novos Velhos”, na obra defende a saúde e bem estar durante o processo de envelhecimento. Lea também é ativista em prol do bem-estar animal. Sua nova empreitada foi a adoção de Goober, um cachorro idoso, seu “Novo velho” em casa.

Agradecemos o carino por ter nos cedido esse texto e fotos.

O treino ou adestramento de animais deve sempre ser supervisionado por um profissional da área. Lembrem-se de que todo processo deve ser feito com reforço positivo! Treinar sua ave é fácil, nós podemos te ensinar. Entre em contato conosco, agende uma aula.

Displasia e Natação / Dysplasia and Swimming

A displasia coxo-femoral é um mal que atinge muitos cães. Normalmente os de raça maiores e com histórico familiar. Esportes como corrida e longas caminhadas não são indicados, mas natação é uma forma de conseguir manter seu cão exercitado e garantir seu bem-estar animal. Manter o peso deles controlado também é muito importante pois isso evita a sobrecarga na articulação prejudicada. (Dysplasia and Swimming)

A displasia coxo-femoral pode se apresentar em qualquer idade do animal, mas também pode se desenvolver com o tempo. esse problema é um desgaste da articulação do osso do fêmur que pode chegar a perder o encaixe no acetábulo. Indícios de que o animal pode apresentar esse problema são:

animal que era muito ativo passa mais tempo deitado
o proprietário percebe que para levantar o cão usa muita força nas patas da frente e defende as traseiras
olhando por trás o cachorro correndo ou andando podemos perceber suas pernas cruzando ao darem as passadas
em casos mais avançados o animal pode sentir dor ao toque na região da cintura pélvica em que o fêmur se encaixa.

Caso seu cão seja diagnosticado com esse problema é importante saber que existem alternativas para melhorar a qualidade de vida dele. Consulte um veterinário especializado e aprofunde seus conhecimentos, mas saiba que:

manter o peso do seu amigo baixo ajuda a não forçar a articulação
acupuntura pode ajudar muito diminuir o desgaste
existem cirurgias reparadoras para alguns casos
natação ajuda a fortalecer a musculatura e ligamentos

E lembre-se que você deve evitar corridas e esportes com saltos para evitar o impacto sobre a articulação.

A displasia coxo-femoral em casos avançados pode causar o impossibilitamento do animal mexer os membros posteriores. Esse é um momento muito delicado na família. Muitas pessoas optam pela eutanásia do cão, mas hoje existem alternativas desde que a dor seja controlada e não comprometa o bem-estar animal do seu cão. É importante lembrar que o cão pode estar com as pernas paralisadas, mas sua mente funciona perfeitamente. Ele continua sendo o mesmo cão amável que ama a família inconcionamente, a única diferença é que ele tem uma necessidade especial que deve ser respeitada.

Caso seu cão comece a parar de mexer os membros posteriores por conta da displasia ou de qualquer outro fator você pode optar por cadeiras de roda especiais para cães. Ele vai conseguir se adaptar bem e continuar sendo o mesmo amigo feliz e oferecer carinho à familia humana.

O abandono do animal é uma opção condenável, lembre-se de que seu amigo tem sentimentos e considera a família humana como parte de sua matilha. Cuidar dele é obrigação da família.

Raças com maior probabilidade de desenvolverem displasia coxo-femoral:

labradores
golden retrivers
rottweilers
pastores alemães/belga
Dog alemão

Acuputuristas que indicamos:
Niterói: Dr. Marcello Martinho
Rj: Dra. Luciana Robalinho

Displasia e natação / Dysplasia and swimming

A prática da natação fortalece a musculatura e tendões da articulação / Swimming makes the muscles, ligaments and joints stronger

ENGLISH VERSION FOR ENGLISH SPEAKERS

The coxofemoral dysplasia is a condition that affects many dogs. Usually the biggest race and family history. Sports such as jogging and long walks are not indicated, but swimming is a way to be able to keep your dog exercised and ensure their welfare. Maintain their weight controlled is also very important because it avoids overloading the joint affected.

The coxofemoral dysplasia can present at any age of the animal, but can also develop over time. this problem is wear of the articulation of the femur bone that can get lost in the acetabular socket. Evidence that the animal may exhibit this problem are:

animal that was very active spends more time lying
the owner realizes that the dog uses to raise a lot of strength in the front legs and the rear supports
looking behind the dog running or walking can realize crossing your legs to give the past
in more advanced cases the animal can feel pain to the touch in the region of the pelvis where the femur fits.

If your dog is diagnosed with this problem is important to know that there are alternatives to improve the quality of his life. Consult a veterinarian specialized and deepen their knowledge, but be aware that:

keep the weight down helps his friend not to force the joint
Acupuncture can help greatly reduce the wear
There are some cases to repair surgeries
Swimming helps strengthen the muscles and ligaments

And remember that you should avoid sports and racing with jumps to avoid the impact on the joint.

Dysplasia coxofemoral in advanced cases can cause the animal to move impossibilitamento hindlimbs. This is a very delicate moment in the family. Many people opt for euthanasia of the dog, but today there are alternatives since the pain is controlled and does not compromise the welfare of your dog. It is important to remember that the dog can be with legs paralyzed but her mind works perfectly. He’s still the same lovable dog that loves family inconcionamente, the only difference is that it has a special need that should be respected.

If your dog begins to stop moving his limbs because of dysplasia or any other factor you can opt for special wheelchairs for dogs. He will be able to adapt well and continue being the same friend happy and give affection to the human family.

Abandoning animals is an option reprehensible, remember that your friend has feelings and believes the human family as part of their pack. Taking care of him is the family obligation.

O treino ou adestramento de animais deve sempre ser supervisionado por um profissional da área. Lembrem-se de que todo processo deve ser feito com reforço positivo! Treinar sua ave é fácil, nós podemos te ensinar. Entre em contato conosco, agende uma aula.

Brinquedos e Segurança / Toys and Safety

Nada como passar um natal com crianças para repensar a relação entre brinquedos, crianças, animais e SEGURANÇA. Meu afilhado recebeu de presente do pai um carrinho que desmontou em cinco minutos e se transformou em uma ameaça à saúde da criança, paz e bem-estar da família. A rodinha poderia ter sido engolida, aspirada ou qualquer outro desastre semelhante, a haste que faz o eixo que essa roda saiu eventualmente poderia furar um olho ou causar qualquer dano na criança, ou adulto que pisasse em cima do brinquedo. (toys and safety)

Com animais é exatamente igual. O bem-estar animal deve ser garantido mantendo eles longe de dor, inclusive as causadas pelos brinquedos mal adaptados aos animais.

Já tive a experiência (horrível diga-se de passagem) de ter que ajudar um veterinário amigo a tirar um Guizo que ficou preso no bico de um papagaio. Outra amiga minha veterinária chegou em casa e a pirrura dela estava pendurada pela língua também em um guizo, já tive o desprazer de ter que retirar linhas que estavam gangrenando os dedos de um outro papagaio de um aluno…Esses dias uma outra amiga veterinária teve o desprazer de constatar através de exames de imagem que um golden retrivier de uma cliente estava comendo as tampas de garrafas pet dadas para brincadeiras e quase morreu por isso. Temos que pensar em Segurança quando oferecemos brinquedos aos nossos filhos e aos nossos animais.

GUIZO / FISHING RATTLER

Já tive a experiência (horrível diga-se de passagem) de ter que ajudar um veterinário amigo a tirar um Guizo que ficou preso no bico de um papagaio. /I’ve had the experience (horrible by the way) of helping a veterinarian friend to take a fishing rattle that got stuck in the beak of a parrot.

Todos esses maus momentos acontecem por um motivo: Desatenção dos tutores. Sejam tutores de crianças ou de animais.

Alguns dos males não acontece na hora e eventualmente não associamos aos verdadeiros vilões da história. Por exemplo brinquedos coloridos por tintas cancerígenas ou mesmo anilinas que podem deixar os animais doentes. Temos que entender que nem tudo que é saudável para o ser humano é saudável para os animais, principalmente aves.

Como solucionar esse problema? Confie numa marca só. Evite misturar marcas das coisas. A medida que você passa a confiar em uma única marca você está protegido pelo seu bom senso, ou do veterinário que indicou a marca.

Pense sempre que brinquedos seguros foram feitos pensado para o animal em questão ou criança. Ele deve ser testado e vir garantido por especialistas na área.

Dicas do que evitar:

  • Arames finos
  • guizos
  • couro
  • madeira pintada
  • fechos que sejam frágeis para o animal/criança que temos em casa
  • estruturas metálicas (sinos, fechos, correntes, etc) que são cobertas com níquel-cromo e podem descascar e intoxicar seu animal/criança
  • estruturas metálicas de alumínio, cobre ou outros metais perigosos caso sejam ingeridos.

Cuidado!!!! A vida do seu animal ou da sua criança pode estar em perigo, pense SEGURANÇA ao oferecer brinquedos para eles.

 

ENGLISH VERSION FOR ENGLISH SPEAKERS

Nothing like spending Christmas day with children to rethink the relation between toys, children, pets and SAFETY. My godson received gift from his father: a car that was thorn apart in five minutes and had become a threat to children’s health, peace and well-being of the family. The wheel could have been swallowed, inhalleted or any other similar disaster could have happened, the stem axis that holds this wheel could possibly stick out in the eye or cause any other damage to the child or adult who stepped up the toy.

With animals is exactly the same. The animal welfare should be guaranteed by keeping them away from pain, including those caused by non adapted toys for animals.

I’ve had the experience (horrible by the way) of helping a veterinarian friend to take a fishing rattle that got stuck in the beak of a parrot. Another veterinary, friend of mine, came home and her pirrura´s tongue was trapped on the fishing rattle ant it was hanging there for hours almost dead. I’ve had the displeasure of having to draw lines that were tying up its fingers of another student´s parrot… Around these days another veterinary, friend of mine had the displeasure to see through images examinations that a golden retriever from a customer was eating the pet bottle caps, it was given as toys and the dog almost died because of it. We have to think about security we offer toys to our children and our pets.

All these bad times happen for only one reason: Inattention tutors. Be carefull with our children or animals, please.

Some of these bad things doesn´t happen on time and possibly we do not associate them with the real villains of the story. For example colorful toys for cancer or even anilines that can make animals sick. We must understand that not everything that is healthy for humans is healthy for animals, especially birds.

How to solve this problem? Trust in a brand only. Avoid mixing brands of things. As you begin to trust one brand you are protected either by your good sense, or the veterinarian´s who had indicated the brand.

Think always that safe toys were made for the individual animal or child. It must be tested and come guaranteed by experts.

Tips to avoid:

  • Thin wires
  • Fishing rattles
  • leather
  • painted wood
  • fasteners that are fragile to the animal / child have at home
  • metal structures (bells, locks, chains, etc.) that are coated with nickel-chromium and can peel and intoxicate your pet / child
  • metallic structures of aluminum, copper or other metals are dangerous if ingested.


Beware!! The life of your pet or your child may be in danger, think SAFETY by providing toys for them.

O treino ou adestramento de animais deve sempre ser supervisionado por um profissional da área. Lembrem-se de que todo processo deve ser feito com reforço positivo! Treinar sua ave é fácil, nós podemos te ensinar. Entre em contato conosco, agende uma aula.

Você Grita Para ser Ouvido? / Do You Scream To Be Heard?

Seu animal ouve muito melhor que você. Gritar para ser ouvido não é eficiente. Gritaria e barulheira na natureza, a maioria das vezes, significa agressão. Um olhar ou um gesto comunica muito mais para o seu animal e não abala as estruturas do relacionamento de amizade que você pode ter.

O Bem-estar animal deve ser nossa primeira preocupação quando temos um bichinho de estimação sob nossos cuidados. Deixá-los com medo para conseguirmos o que queremos dele não é um meio saudável para nem um dos dois lados.

Preze pela amizade entre a família humana e seu companheiro animal. Fale baixo e seja eficiente na comunicação.

Dúvidas como ter um animal mais tranquilo dentro de casa? Entre em CONTATO POR TELEFONE ou ACHE-NOS EM NOSSAS REDES SOCIAIS ONLINE

Está com preguiça ou tem dificuldade em ler? VEJA NOSSO VÍDEO COM ESSAS INFORMAÇÕES.

ENGLISH VERSION FOR ENGLISH SPEAKERS

Your animal can hear much better than you or me. Scream to be heard is not an effective way to be understood. Noisy events in nature, most of the times, mean agression displays. Looks and gestures mean much more to your animals than shouting at them and keep your good relations.

The animal welfare must be our first concernment when keeping a pet. Making it affraid of us to get what we want is not healty neither for the human family nor to the animal. Speak low and be effective in your message.

If you don´t know how to do that CONTACT US ONLINE, Book a class and let us show you how we do it here.

ENGLISH VIDEO FOR ENGLISH FRIENDS

O treino ou adestramento de animais deve sempre ser supervisionado por um profissional da área. Lembrem-se de que todo processo deve ser feito com reforço positivo! Treinar sua ave é fácil, nós podemos te ensinar. Entre em contato conosco, agende uma aula.

Bombas, São João, Cães e Gatos Assustados

O que fazer para garantir o bem-estar animal do seu bichinho de estimação nessa época de Bombas? Como diminuir a ansiedade e o medo?

Preste atenção na dica no nosso vídeo e caso não melhore, entre em CONTATO conosco para uma aula virtual.

O treino ou adestramento de animais deve sempre ser supervisionado por um profissional da área. Lembrem-se de que todo processo deve ser feito com reforço positivo! Treinar sua ave é fácil, nós podemos te ensinar. Entre em contato conosco, agende uma aula.

Filhotes de Cães

Depois de passar uma vida adotando cães adultos de rua e de pessoas que destratavam seus animais em casa, sendo ativista da adoção de cães adultos, tive a necessidade de adotar três filhotes para um projeto.
Me fez pensar a respeito de muitas coisas, dentre elas:

 

    • Filhotes erram, mas também acertam muito
    • Por mais que tenham aquela carinha de “cuida de mim”, educação é necessária
    • Educação vem do berço

 

 

 

  • Supervisão, Supervisão, Supervisão

O treino ou adestramento de animais deve sempre ser supervisionado por um profissional da área. Lembrem-se de que todo processo deve ser feito com reforço positivo! Treinar sua ave é fácil, nós podemos te ensinar. Entre em contato conosco, agende uma aula.

Posse Responsável de Animais

Muitas pessoas adquirem seus animais por impulso. O ideal para que o Bem-Estar nem do animal e nem da família que receberá o bichinho seja comprometido é que a aquisição seja pensada e repensada algumas vezes.

Costumo dizer que comprar um animal ou pegá-lo em algum abrigo ou mesmo na rua, é o custo mais barato que essa pessoa terá durante a vida desse ser vivo recém chegado.

Adotar um animal, seja qual for, é assumir a responsabilidade por um ser vivo. Isso realmente implica cuidar de todos os aspectos para o seu Bem-Estar.

As adoções que são espontâneas e impulsivas, porque “acharam aquele cachorrinho lindo e ele veio atrás de mim” ou “olha essa jandainha, como ela é querida, vou levar sem nem saber o que ela come” costumam ser traumáticas tanto para as pessoas quanto para os animais. Muitos casos de abandono acontecem por falta de preparo, planejamento e conhecimento da função extra-ordinária que é ter um animal vivendo dentro de casa.

Pensando em ajudar a nortear essa decisão, lembre-se que seu animal precisa de:

  • Brinquedos próprios para a espécie (e costumam ser caros)
  • Alimentação própria
  • Espaço adequado
  • Horários de interação (se você não tem tempo, seu animal sofrerá com isso)
  • Paciência para educar (é como educar um filho, não tem paciência? Repense ter animais!)
  • Dinheiro, muuuuuuuuito dinheiro para o veterinário, pet-shop, adestrador, day care e outras coisas que ele venha a precisar e lembre-se, quanto maior o animal, mais dinheiro!

Pense com calma, peça a ajuda de um profissional para adequar a melhor espécie de animal à sua família e estilo de vida.

Conheça nosso programa de ACONSELHAMENTO de espécies que melhor se adequarão a você, entre em CONTATO e se estiver longe de nós agende uma CONSULTORIA VIRTUAL.

Adoção de Cães Adultos

Imagino que muitas pessoas quando pensam em adotar um cachorro, logo se imaginam com um bebêzinho dentro de casa.

O que a maioria dos “adotantes” não lembra é que esse bebê agirá como um! Passará pelas fases de troca de dentes, roerá os móveis da casa, morderá os braços dos familiares, usará o tapete persa preferido como banheiro, latirá de madrugada para chamar sua atenção, entre outras mil coisas que só um filhote pode fazer por você. Essa fase costuma ser um desespero entre as famílias e se não for rapidamente assistida por um profissional danos comportamentais graves podem surgir nesse período.

Existe uma outra modalidade de adoção pouco divulgada entre as pessoas. A adoção de cães adultos. Partidarista desse tipo de pensamento, me senti no dever de descrever os prós de adotar um cão que seja mais velho.

Cães mais velhos já passaram por experiências em suas vidas que tiveram que aprender lidar com situações de dominância e submissão. Por essa razão, quando vamos a um abrigo e vemos um cão mais submisso ou mais dominante sabemos que aquele padrão é o que provavelmente irá se repetir dentro de casa. Dessa forma o adotante pode escolher mais facilmente o animal que se encaixará na sua família.

Cães mais velhos já trocaram de dentes, dificilmente um cão adotado roe a mobília ou tem o hábito de ficar mordendo a mão do dono.

A chegada em casa é muito mais tranquila. Normalmente são animais que foram abandonados ou viveram boa parte de suas vidas sozinhos, ou seja, quando chegam na casa nova, tudo o que a nova família tem que fazer é dar uma caminha confortável na área destinada ao novo membro da casa. Se o animal ficar fora de casa, é só colocar a caminha na casinha. Provavelmente ele não chorará pela ausência da família.

Sentimento de gratidão, sendo bem controverso, mas conivente com toda filosofia da BEAnimal, os animais que são resgatados comumente expressam gratidão por suas famílias novas de uma forma tão notória que dificilmente alguém discordaria que eles agradecem por estar em casa. E isso nos faz lembrar como é bom fazer a caridade para outro ser, mesmo que não seja humano.

Usar o banheiro. Cães adultos em situações e lugares novos, quando ensinados de forma correta, aprendem a “usar o banheiro” muito mais consistente e corretamente do que os bebês. Obviamente ainda erram, mas são mais rápidos na aquisição do novo comportamento.

Cães mais velhos tem menos energia pra gastar! Eles adoram brincar, aprendem truques novos com muita facilidade mas normalmente eles esperarão a família humana tomar a iniciativa. Ou seja, os animais ficam mais tranquilos durante o dia e exigem menos da família humana.

Tudo isso, estou considerando um cão mais velho, saudável física e mentalmente. Infelizmente muitos cães que estão nos abrigos sofreram abusos durante a vida. Mas mesmo assim, tudo o que esses animais precisam é de um pouco de amor, respeito e carinho para se tornarem animais felizes novamente.

Quebre paradigmas, refaça seus conceitos, cães velhos também sentem amor, também oferecem carinho e ainda serão gratos por receberem, mesmo que no final de suas vidas, um pouco de dignidade e amor de um ser humano.

ADOTE ESSA IDÉIA.

Você que já adotou um cão adulto, entre em CONTATO conte sua história, mande fotos e anexaremos em nossa galeria desse post.


Cuidados ao Adquirir um Animal de Procedência Desconhecida

Quando adotamos animais sem saber a procedência deles sempre temos riscos dentro de casa. Nós não sabemos o que esses seres gostam ou deixam de gostar, o que eles tem raiva ou experiências ruins em suas vidas.

Por essa razão temos que ter muito cuidado com as experiências novas que se apresentam na vida em conjunto com esse novo membro da família.

Sou um “adotante” confesso de muitos animais que passaram na minha vida e não me arrependo disso. Todos me deram muita felicidade durante o tempo que passamos juntos.
Vou relatar a última experiência que tive, que não foi tão agradável. No meio da minha última mudança eu olho um cachorro perdido na rua. O animal era IMENSO e estava nitidamente pronto para ser atropelado. Resolvi por impulso levá-lo para a casa antiga.

Separei ele dos animais no primeiro dia. Segundo dia a Maria Clara (a galinha) resolveu escapar pra junto do cachorro. Ele nem cheirou, ficou tranquilo… logo depois o Lino (o gato) resolveu sair de casa… E o cachorro nada de atacar o gato. Achei ótimo, fiquei tranquilo, terminei a mudança e já faz um mês que ele protege a casa e todos nós. Ele é muito bravo quando chega gente no portão.

Um mês depois o portão ficou sem trava e o cachorro do vizinho resolveu entrar. Foi praticamente uma carnificina dentro do quintal da minha casa. Eu tentei fazer o Cachorro (ele chama cachorro mesmo) soltar o coitado do vizinho, mas não deu certo. Cena perigosa. Eu de sunga, dois cachorros se atracando, nada na mão pra separar os dois com segurança. A única saída que vi foi sufocar o Cachorro (o meu) com um golpe mata-leão, correndo o risco da agressividade ser redirecionada contra mim e eu ficar sem rosto… Tentei fazer da maneira mais segura possível e graças a Deus tudo deu certo. O Cachorro soltou o vizinho, que por sua vez saiu correndo e não se machucou muito, graças a minha intervenção. Eu fiquei tremendo por mais de 30 min. E tudo voltou ao normal. O curioso é que enquanto tudo isso acontecia, minha galinha estava olhando, o gato do outro lado e as araras gritando.

Fiquem sempre atentos às nuances de comportamento e lembrem-se, não é porque um animal se da bem com um que vai se dar bem com todos. Cuidado com crianças, evitem que elas andem com objetos que os animais possam querer (comida, brinquedos). Atenção especial na hora da alimentação, principalmente com cães, eles podem ser animais possessivos e ficarem agressivos somente nesse momento. Cuidado com brinquedos e ossos. Atenção às demonstrações de medo, podem virar eventos de agressividade.

É importante ressaltar que depois que essa fase de adaptação acontece, os animais adotados parecem ter uma gratidão, carinho e dedicação à família que eu não vejo em outros animais. Isso vale a pena. Portanto, participe de campanhas de adoção. Ajude um animal sem casa.

  • RSS
  • Newsletter
  • Twitter
  • Facebook
  • Flickr
  • YouTube